Just another WordPress.com site

TODOS OS ARQUIVOS

UFMT e Secretaria de Agricultura discutem resultados de pesquisa sobre agrotóxicos em leite humano

Pesquisador Wanderley Pignati, do Instituto de Saúde Coletiva da UFMT, participou ontem (14) de reunião com representantes da Secretaria de Estado de Desenvolvimento Rural e Agricultura Familiar (Sedraf), do Instituto de Defesa Agropecuária de Mato Grosso (Indea-MT), do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento/Superintendência Federal de Agricultura (Mapa/SFA), da Secretaria de Meio Ambiente (Sema) e da Secretaria de Saúde (SES). O encontro ocorreu durante toda a tarde na sede da Sedraf com a finalidade de discutir os resultados apresentados na dissertação de mestrado da bióloga Danielly Cristina A. Palma, intitulada “Agrotóxicos em leite humano de mães residentes em Lucas do Rio Verde-MT”.
A iniciativa da reunião foi do Secretário de Desenvolvimento Rural e Agricultura Familiar, José Domingos Fraga Filho, que convidou o orientador da dissertação, professor Wanderley Pignati, para dirimir dúvidas dos participantes da reunião e para lhes fornecer subsídios técnicos utilizados na pesquisa. Participaram também da reunião o Secretário de Agricultura e Meio Ambiente de Lucas do Rio Verde, Edu Laudi Pascoski, e o diretor do SAAE – Serviço Autônomo de Água e Esgoto desse município, Raimundo Dantas.
A pesquisa realizada por Danielly Palma teve como objetivo determinar resíduos de agrotóxicos em leite de mães residentes em Lucas do Rio Verde, que é o segundo maior produtor de grãos de Mato Grosso. O trabalho revelou que todas as amostras de leite materno de 62 nutrizes apresentaram pelo menos um tipo de agrotóxico analisado. Segundo a autora “os resultados podem ser oriundos da exposição ocupacional, ambiental e alimentar do processo produtivo da agricultura que expôs a população a 114,37 litros de agrotóxico por habitante na safra agrícola de 2009/2010, estando incluídas nessa exposição as gestantes e nutrizes que podem ter sido contaminadas nesse ano de 2010 ou em anos anteriores.”
Wanderley Pignati fez uma exposição de mais de uma hora, tendo, entre outros assuntos, abordado questões como agrotóxicos e doenças humanas; agrotóxicos e danos ambientais; impactos do agronegócio e dos agrotóxicos e os agravos à saúde da população de Mato Grossos no período de 1998 a 2007; destinação dos vasilhames vazios dos agrotóxicos; resíduos de agrotóxicos nos alimentos; tipos de agrotóxicos usados em Lucas do Rio Verde e seu grau de toxidade. Pignatti citou outras pesquisas realizadas na UFMT e em outros estados e países e elencou sugestões para diminuir os impactos dos agrotóxicos na saúde da população e no ambiente. Na sua opinião, é preciso implantar uma vigilância à saúde completa, que contemple os aspectos epidemiológico, sanitário, ambiental, farmacológico, alimentar e do trabalhador. Deve-se, ainda, acrescentou “fazer cumprir o código florestal, monitorar os agrotóxicos, implantar fóruns de elaboração de normas de monitoramento, ampliar os investimentos em tecnologias sustentáveis e sem agrotóxicos e na agroecologia, e tratar o modelo de produção químico-dependente como problema de saúde pública.”
A exposição do pesquisador da UFMT foi seguida de perguntas e debates e, ao final, o representante da Sedraf comunicou que seria formada uma comissão para aprofundar a discussão do assunto e que, oportunamente, seria convocada nova reunião.


Quebra da barreira do som pode fazer surgir gás interestelar

Os (belos) filamentos de gás vistos em nuvens entre estrelas podem ser
causados pelo rompimento da barreira do som quando esses astros explodem, sugere
um estudo feito na Agência Espacial Europeia (ESA) no Observatório Espacial
Herschel.

Esses gases já tinham sido detectados por telescópios infravermelhos antes e
os cientistas sabiam as partes mais densas deles são um verdadeiro “berçário de
estrelas”. Mas eles nunca tiveram suas dimensões medidas antes. A nova
observação mostra que embora o comprimento e a densidade dos filamentos varie,
sua largura é sempre a mesma – o que pode ser um sinal do rompimento da barreira
do som quando ocorre uma explosão estelar.

filamento (Foto: Esa)

Imagem feita pela ESA mostra os longos fialmentos de gases
interestelares (Foto: Esa)


Dissertação discute mídia exterior em Cuiabá

Dissertação discute mídia exterior em Cuiabá Publicado em Notícias | 12/04/2011 A aluna do Programa de Pós-Graduação em Geografia, do Instituto de Ciências Humanas e Sociais (ICHS) da Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT), Paula Apolinário Zagui, fará a defesa pública da dissertação de mestrado em Ambiente e Desenvolvimento Regional na sexta-feira (15), às 14h, na sala da Pós-Graduação em Geografia, campus de Cuiabá. A mestranda defenderá a dissertação “Cidade Limpa: Estudo sobre a presença e a poluição visual gerada pela mídia exterior em Cuiabá-MT”. Sob a coordenação da professora doutora Marinete Covezzi, a banca terá como membro externo a professora doutora Débora Cristina Tavares, do curso de Comunicação Social da UFMT. Resumo: A pesquisa discute a forma como a mídia exterior tem ocupado espaços públicos e privados na cidade de Cuiabá. Também analisa a aprovação da nova lei que regulamenta a mídia exterior, intitulada “Cuiabá – Cidade Limpa”, e sua aplicação na cidade. Mídia exterior são os painéis ao ar livre como outdoors, empenas (paredes sem janelas) no mobiliário urbano e front lights (painéis iluminados de grandes dimensões).


Simulação comprova origem das explosões mais brilhantes do universo

Por meio de uma simulação feita por um supercomputador, cientistas
comprovaram que a emissão de raios gama – as explosões mais brilhantes do
universo – podem ser causadas pela colisão entre duas estrelas de nêutrons. Uma
estrela de nêutrons é o que resta de uma estrela que entra em colapso e explode.
Esses corpos são bastante densos, com uma massa maior que a do sol concentrada
numa esfera com pouco menos de 30 km de diâmetro.

quando as estrelas de nêutrons colidem, dão origem a um buraco, liberando
grande quantidade de energia. O campo magnético das estrelas em colisão se
organiza de tal maneira que se formam jatos com partículas que se movem quase na
velocidade da luz. Esses jatos geram a emissão de raios gama.
“Pela primeira vez, conseguimos rodar a simulação para além da colisão e da
formação do buraco negro”, afirmou Chryssa Kouveliotou, pesquisadora do Centro
Marshall de Voo Espacial, nos EUA, uma das coautoras do estudo.
A simulação levou mais de seis semanas para ser feita, num grupo de
computadores do Instituto Albert Einstein, em Potsdam, no Leste da Alemanha. O
processo que ela descreve dura apenas 35 milésimos de segundo, cerca de um terço
do tempo de um piscar de olhos.

Simulação da colisão de estrelas de nêutrons e da emissão de raios gama em etapas (Foto: Nasa/AEI/ZIB/M. Koppitz e L. Rezzolla)Simulação da colisão de estrelas de nêutrons e da
emissão de raios gama em etapas (Foto: Nasa/AEI/ZIB/M. Koppitz e L.
Rezzolla)

Novo estudo prevê fim das geleiras de verão no Ártico em 2016

Projeção se segue a críticas do meio científico a modelo anterior, que
falava em derretimento em 2013.

Da BBC

Cientistas que haviam previsto que geleiras se derreteriam durante os verões
no Ártico em 2013 agora projetam que isso talvez demore mais alguns anos, mas
ainda deve ocorrer nesta década – provavelmente em 2016.

A previsão original, feita em estudo de 2007, rendeu uma onda de críticas ao
autor, o cientista Wieslaw Maslowski. Agora, Maslowski e sua equipe trabalham
com um novo modelo de computador – feito parcialmente por causa da onda de
críticas – que identificou a data ‘estimada’ como sendo 2016.

Seu estudo foi apresentado no encontro anual da União Europeia de Geociências
(EGU, na sigla em inglês).

O novo modelo foi projetado para reproduzir interações do mundo real, ou
‘cruzamentos’, entre o oceano Ártico, a atmosfera, o gelo e os rios que deságuam
no mar.

‘No passado (…), estávamos projetando o futuro presumindo que tendências
poderiam persistir, como foi observado em tempos recentes’, disse Maslowski, que
trabalha na Escola de Pós-Graduação Naval, em Monterey, na Califórnia.

‘Agora, estamos tentando ser mais sistemáticos e desenvolvemos um modelo
regional do clima do Ártico que é muito parecido com os modelos de mudança
climática do Painel Intergovernamental para Mudanças Climáticas (IPCC)’, disse à
BBC News.

‘Podemos fazer um modelo completo de cruzamentos para o passado e o presente
e ver o que o modelo vai prever para o futuro quanto ao gelo do mar e o clima
ártico.’

E uma das projeções identificou que o derretimento de verão pode deixar os
mares do Ártico sem a presença de gelo por volta de 2016, ‘com margem de erro de
três anos a mais ou a menos’.

Provas

Um dos ingredientes mais importantes do novo modelo é a informação relativa à
grossura do gelo que flutua no mar.

Satélites são cada vez mais capazes de detectar essa grossura, geralmente a
partir da medição de quão acima da superfície marítima está a geleira. A medição
também indica a profundidade desse gelo.

A inclusão dessa estimativa no modelo de Maslowski foi um dos fatores que o
forçou a rever a projeção de 2013, que levantou suspeitas e críticas quando foi
anunciada em uma reunião ocorrida quatro anos atrás.

Desde um derretimento particularmente expressivo ocorrido em 2007, uma grande
proporção do Ártico tem sido coberta por uma camada de gelo fino, que é formada
durante uma única estação e é mais vulnerável a mudanças sutis de temperatura do
que o gelo grosso.

Mesmo levando isso em consideração, a data projetada por Maslowski é anterior
à prevista por outros cientistas.

Mas um deles – Walt Meier, do Centro de Informações de Neve e Gelo dos EUA,
no Colorado – diz que o comportamento do gelo marinho se torna menos previsível
à medida que se torna mais fino.

‘O modelo (de Maslowski) é bastante bom, tem bastante precisão e captura
detalhes que estão perdidos em modelos climáticos globais’, disse. ‘Mas 2019 é
daqui a apenas oito anos. Há modelos mostrando que (as datas prováveis do
derretimento são por volta de) 2040 ou 2050, e ainda tendo a acreditar
nisso.’

Ele agrega: ‘Ficaria muito surpreso (se o derretimento de verão) ocorresse em
2013. Menos surpreso se ocorresse em 2019′.

Método

O derretimento drástico de 2007 foi o maior já registrado pelos satélites,
ainda que nos anos seguintes a perda de gelo foi inferior à média de longo
prazo.

Mas alguns pesquisadores acreditam que o derretimento de 2010 foi tão
marcante quanto o de 2007, já que as condições climáticas foram no ano passado
mais favoráveis à durabilidade do gelo.

Ainda que muitos cientistas do clima e ambientalistas estejam seriamente
preocupados com o futuro do gelo ártico, para outras partes da sociedade e dos
governos o derretimento traz desafios e oportunidades.

Os governos da Rússia e do Canadá, por exemplo, estão de olho nas
oportunidades de mineração que vão despontar no pólo Norte, e o Exército dos EUA
expressou preocupação em perder parte de sua defesa na sua fronteira do norte
durante uma parte do ano.

‘Não estou tentando ser alarmista nem dizer que ‘prevemos o futuro porque
temos uma bola de cristal”, disse Maslowski. ‘Estamos tentando fazer os
políticos e as pessoas perceberem que o gelo de verão (do Ártico) pode sumir até
o fim da década.’


CURSO DE SENSORIAMENTO REMOTO APLICADO AO ZONEAMENTO ECOLÓGICO-ECONÔMICO

CLIQUE AQUI !!!

CURSO DE SENSORIAMENTO REMOTO


Wanderlei Pignati: 13 metais pesados, 13 solventes, 22 agrotóxicos e 6 desinfetantes na água que você bebe

por Manuela Azenha, de Cuiabá (MT)

Há cinco anos, Lucas do Rio Verde, município de Mato Grosso, foi vítima de um acidente ampliado de contaminação tóxica por pulverização aérea. Wanderlei Pignati, médico e doutor na área de toxicologia, fez parte da equipe de perícia no local. Apesar de inconclusiva, ela revelava índices preocupantes de contaminação. Em parceria com a Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), Pignati passou então a dirigir suas pesquisas à região Centro-Oeste. Professor na Universidade Federal do Mato Grosso, há dez anos ele estuda os impactos do agronegócio na saúde coletiva. É o estado onde mais se aplica agrotóxicos e fertilizantes químicos no Brasil, país campeão no consumo mundial dessas substâncias. Pignati alerta que três grandes bacias hidrográficas se localizam no Mato Grosso, portanto quando se mexe com agrotóxico no estado, a contaminação da água produz impacto enorme. O projeto de pesquisa coordenado por Pignati tem o compromisso de levar às populações afetadas os dados levantados e os diagnósticos. Para ele, é fundamental promover um movimento social de vigilância sanitária e ambiental que envolva não só entidades do governo, mas a sociedade civil organizada e participativa. Diferentemente da União Européia, aqui a legislação não acompanha a produção de conhecimento científico acerca do tema. Segundo Pignati, a legislação nacional, permissiva demais, limita a poluição das indústrias urbanas e rurais, enquanto paralelamente a legaliza. As portarias de potabilidade da água, por exemplo, ampliaram cada vez mais o limite de resíduos tóxicos na água que bebemos. E na revisão da portaria que está prestes a acontecer, pretende-se ampliar ainda mais. Pignati condena a campanha nacional em prol do álcool e do biodiesel, energias que considera altamente prejudiciais e poluentes para o país que as produz: “Se engendrou toda uma campanha para dizer que o biodiesel viria da mamona, do girassol, de produtos que incentivariam a agricultura familiar, mas é mentira, vem quase tudo do óleo de soja”. Assim como a pesquisadora cearense Raquel Rigotto (leia aqui a entrevista dela ao Viomundo), Pignati também questiona a confiabilidade do “uso seguro dos agrotóxicos”, um aparato de normas e procedimentos que mesmo se contasse com estrutura para seu funcionamento ideal, ainda assim não garantiria o manejo absolutamente seguro dos venenos. Para Pignati, a falta de investimento na vigilância à saúde e ao ambiente no Brasil é uma questão de prioridade: “Tem muito dinheiro para vigilância, mas não para o homem. Existe um verdadeiro SUS que cuida de soja e gado, produtos para exportação”. Viomundo – Desde o acidente de Lucas do Rio Verde, o que o senhor vem pesquisando? Wanderlei Pignati – Na verdade, faz mais de dez anos que pesquisamos os impactos do agronegócio ao homem e ao ambiente. Na safra de 2009 pra 2010, Mato Grosso usou 105 milhões de litros de agrotóxico. O Brasil usou 900 milhões, quase 1 bilhão de litros de agrotóxicos. É o maior consumidor do mundo. E Lucas do Rio Verde usou 5 milhões em 2009. Aonde vai parar esse volume todo? É isso o que temos pesquisado. Estudamos a contaminação das águas e para isso a gente trabalha com bacias. No Mato Grosso, você tem várias bacias. A bacia do Pantanal, que é do rio Paraguai e nasce aqui no estado. Tem a bacia do Araguaia, uma de suas grandes nascentes é o rio Morto, aqui em Campo Verde. E a bacia do Amazonas em Lucas do Rio Verde, cujas nascentes são os rios Verde e Teles Pires. Portanto, quando você mexe com agrotóxico e fertilizante químico no Mato Grosso, está mexendo com as três grandes bacias do Brasil: a do Araguaia, a Amazônica e a do Pantanal. A bacia do Pantanal é uma questão mais séria ainda porque ela vai atingir outros países, como Paraguai, Argentina e Uruguai. Tem três grandes bacias e três biomas no estado: o pantanal, o cerrado e a floresta. As nascentes dos rios dessas bacias estão dentro das plantações de soja. É o mesmo caso da bacia do Xingu, o maior parque índigena do Brasil. As suas nascentes estão nos municípios em volta, onde está cheio de plantação de soja, de milho e algodão. Queriam implantar mais uma série de usinas de açúcar e álcool no entorno do pantanal, mas veio um decreto do presidente proibindo. O agronegócio não respeita essa questão das bacias e nem das nascentes dos rios. Essa problemática é o que estudamos. Em Lucas do Rio Verde, em 2006, houve um acidente agudo que saiu na mídia. Na mídia daqui, saiu pouco porque é muito comprometida com quem a paga, que na época era o governador Blairo Maggi. Ele tem a mídia sob controle. Na época, estavam dissecando soja em torno das plantações, que se estendem até a beira da cidade. Planta-se e pulveriza-se com trator ou com avião. Em Lucas, pulverizava-se a soja transgênica, que é muito pior para o ambiente do que a soja normal. Viomundo – A maioria da soja já é transgênica? Wanderlei Pignati – No Mato Grosso, 80% dessa última safra já é. No Rio Grande do Sul, é 95%. Agora está entrando muito milho transgênico também. Aqui, tira-se a soja e planta-se o milho. São duas safras grandes de plantação aqui. Viomundo – Os transgênicos exigem mais agrotóxicos? Wanderlei Pignati –A soja transgênica sim, porque não é resistente à praga, ela é resistente a um agrotóxico, que é o glifosato. Esse é um agrotóxico bastante usado, que a Monsanto patenteou com o nome de Roundup. Na soja comum, você não pode usar o glifosato depois de ela ter nascido, porque ele mata o mato e a soja também. Mata minhoca, fungo, bactérias sensíveis a ele. Por biotecnologia, pegaram uma bactéria resistente ao glifosato e injetaram o DNA dessa bactéria no DNA da soja. Então, o glifosato só era usado antes da soja nascer para matar as ervas daninhas. Agora, como é resistente, aplica-se o glifosato a cada quinze dias e o uso dele foi multiplicado na soja. Depois, precisa madurar e dissecar a soja rapidamente para plantar o milho. No meio natural, demora um mês e pouco. Com esse dissecante, em três dias a soja madura, seca e a máquina já pode entrar na plantação. Isso para aproveitar as chuvas da segunda safra e plantar o milho. Mas para dissecar agora já não se pode usar o glifosato, porque a soja é resistente a ele. Então usa-se outro tipo de agrotóxico, o diquat ou o paraquat, classificado como classe 1, extremamente tóxico. O glifosato é classe 4, tóxico também, mas pouco. O paraquat é proibido na União Européia. Além de multiplicar o uso do glifosato, você agora usa um agrotóxico extremamente tóxico como secante [da soja]. E não é toxico só para o humano, ele é altamente perigoso para o ambiente, porque mata tudo quanto é coisa, abelha, pássaro. E no caso de Lucas, eles estavam dissecando a soja de avião, usando diquat e paraquat em torno da cidade. Uma nuvem foi para dentro da cidade e queimou todas as plantas medicinais. Tinha um horto de plantas medicinais com mais de 100 canteiros que abastecia várias cidades. Foram queimadas as hortaliças e plantas ornamentais da cidade também. Deu um surto agudo de vômito, diarréia e alergia de pele em crianças e idosos. Os médicos classificaram como rotavirose. Nós da Universidade Federal do Mato Grosso fomos chamados pelo Ministério Público de Lucas do Rio Verde e do estado para fazer uma perícia. A gente viu que a coisa era bastante séria, um acidente sério que acontece todo dia. É a chamada deriva de agrotóxico. É previsível, porque os agronômos sabem que tem vento, o vento não está parado. Então, você passa agrotóxico perto da cidade e o vento vai levá-lo para lá. O pessoal se esconde por trás da palavra “deriva” para dizer que aquilo foi um acidente, mas é um acontecimento prevísivel. Passar um agrotóxico extremamente tóxico a partir de um avião é mais previsível ainda. Mesmo quando o agrotóxico já está no solo, ele depois se evapora. Jogar veneno é um ataque quase de guerra. Não se trata de pesticida ou defensivo agrícola. Na legislação, está como agrotóxico. O trabalhador que está passando o agrotóxico pode estar protegido com todos os EPI (equipamento de proteção individual), mas e o ambiente? Vai colocar EPI nas outras plantas? Querem matar os insetos, o fungo, a erva daninha. Então teria de colocar EPI nos outros animais, como no peixe e no cavalo. O uso seguro do agrotóxico é altamente questionável. Pode ser seguro para o trabalhador, isso se ele usar todos os EPI. Mesmo assim, tem toda uma questão da eficiência e eficácia desses EPI. Sou também médico do trabalho e a gente vê isso. A eficiência e eficácia do EPI é de 90%, se [os trabalhadores] usarem máscara com o filtro químico adequado. E o resto do vestimento? Agrotóxico penetra até pelo olho! Pela mucosa, pela pele. Então teria que ter até um cilindro de oxigênio para respirar igual a um astronauta. O filtro pega 80% ou 90% dos tipos de agrotóxico. Hoje, você tem mais de 600 tipos de princípios ativos e são 1.500 tipos de produtos formulados. Tem agrotóxicos novos com moléculas muito pequenas que passam pelo filtro. Então, com toda a proteção ideal, você protege o trabalhador. Mas, e o ambiente? Os resíduos vão sair na água, depois na chuva, vão ficar no ar, vão para o lençol freático. A gente viu isso na cidade, depois fizemos uma perícia mas ficou inconclusiva. Por isso, resolvemos fazer uma pesquisa junto com a Fiocruz. Ao mesmo tempo, estava-se articulando pesquisas em outros estados aqui da região Centro-Oeste. O nome da nossa pesquisa é “Avaliação do risco à saúde humana decorrente do uso do agrotóxico na agricultura e pecuária na região Centro-Oeste”. A gente pegou dois municípios e um município-controle, em que quase não se usa agrotóxico. Viomundo – As pesquisas em Lucas do Rio Verde já estão bastante avançadas? Wanderlei Pignati – Já. Talvez a análise do leite materno tenha sido um dos últimos tópicos, mas a gente continua com sapos e com peixes. Em outros munícipios, a gente não fez o teste do leite, por exemplo. Mas isso porque Lucas é o maior produtor de milho no estado do Mato Grosso, terceiro em produção de soja. Então achamos que era necessário o trabalho. Analisamos o leite materno de 62 mulheres em Lucas, 20% das nutrizes amamentando no ano passado. Todas as amostras revelaram algum agrotóxico. Mas o que mais deu nessas amostras é um derivado de DDT, que se usava na agicultura até 1985 e na saúde pública, até 1998, para combater a malária. Só que ele é cumulativo, entra na gordura e não sai mais. O segundo que mais deu foi endossulfam, 40%. É um clorado proibido faz 20 anos na União Européia. E por ser um clorado também fica acumulado na gordura. Retirar o leite é uma maneira de analisar os resíduos de agrotóxico na gordura, menos agressiva que uma biópsia. Quando a mulher fabrica o leite, as gorduras mais antigas vão para o leite. Depois desse acidente, despertou na população um movimento de querer saber o que está acontecendo. Viomundo – E depois que a perícia averigua a causa do acidente, o que acontece? Wanderlei Pignati – Algumas coisas você comprova na hora, outras demoram anos. Fazemos análise de resíduo de agrotóxico na água, no solo, na chuva, no leite. Para avaliar o leite, a gente começou há três anos a desenvolver uma técnica para analisar dez agrotóxicos de uma só vez. Uma substância isolada é custosa em termos de dinheiro e tempo e, analisando dez substâncias, a chance de encontrar resíduos é maior. Das amostras, 100% deram pelo menos um tipo de agrotóxico. Pegamos os 27 tipos de agrotóxicos mais consumidos na região do Mato Grosso e fizemos as análises. Dentre os 27 mais consumidos, você não tem o glifosato, por exemplo, que é o herbicida mais usado no país, porque não tínhamos tecnologia no Brasil para analisá-lo. Hoje tem, mas é muito cara. Os únicos que fazem esse exame são meia dúzia de laboratórios. Periodicamente a gente levanta dados, tem as dissertações de alunos. No nosso grupo de estudos, tem uma aluna que estuda resíduo de agrotóxico em leite, outra que estudou agrotóxicos e câncer. Onde tem a maior incidência de câncer aqui no MT? Justamente nas regiões produtoras do estado. Em torno de Sinop: Lucas do Rio Verde, Sorriso, Nova Mutum, que são os municípios no entorno. A região de Tangará da Serra, Sapezal, Campos Novos dos Parecis, que são os grandes produtores de soja. E a região de Rondonópolis, Primavera, Campo Verde, Itiquira, onde se produz muito algodão. São as grandes regiões produtoras onde tem maior incidência de câncer, má formação, intoxicação aguda. Você tem 80% a 90% desmatado nesses lugares. Se está desmatado, é porque está se plantando soja, milho e algodão até a beira das casas. Mato Grosso produz 50% do algodão do Brasil e é justamente a cultura que mais usa agrotóxico. No Mato Grosso, em média, um hectare de soja usa dez litros de agrotóxico: herbicida, inseticida, funigicida e o dissecante. O milho usa seis litros. A cana, quatro litros e o algodão, vinte. Como a gente tem grande produção de soja — são seis mihões de hectares de soja no Mato Grosso –, dá 60 mihões de litros de agrotóxico na soja. Obtemos esses números no INDEA [Instituto de Defesa Agropecuária do Estado de Mato Grosso], onde todo receituário agronômico e uso de agrotóxico é registrado. Na maioria dos estados não tem, mas deveria haver esse banco de dados. São 40 municípios que consomem 80% desses 100 milhões de litros de agrotóxicos. No geral, ocorre uma contaminação, inclusive da chuva, que tem muito agrotóxico presente. Ele evapora, depois desce, principalmente no período de chuva, que é quando mais se usa agrotóxico. Na entressafra, chove pouquíssimo. Então, quase ninguém está plantando. O agrotóxico evapora, desce e vai para toda região, não só para aquele município onde foi aplicado. Vai para o ar também. Se você está pulverizando a alguns metros de uma escola, esse ar vai para os alunos, para os professores. E os poços artesianos a alguns metros de uma grande plantação de soja, milho ou algodão também se contaminam. Com o tempo, o agrotóxico vai penetrando no solo e sai no poço, mesmo que esteja a 50, 60, 70 metros de profundidade. Isso é o que a gente chama de poço semi-artesiano e a maioria é assim. Uma região de cerrado tem pouco abastecimento por córrego, é mais por poço artesiano que as cidades e comunidades rurais se abastecem. Encaminhamos o relatório dessa pesquisa para o CNPq [Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico]. Lá em Lucas, a gente já fez uma audiência pública na Câmara Municipal, onde apresentamos esses dados. Estavam presentes vários professores, vereadores, os secretários da saúde, educação e agricultura. As Secretaria da Agricultura e do Meio Ambiente são juntas em 140 dos 141 municípios de Mato Grosso. O grande poluidor do meio ambiente — a agricultura químico-dependente, que desmata e usa muito agrotóxico e fertilizante químico – tem o mesmo gestor e fiscalizador que o meio ambiente. A maioria dos secretários da agricultura é de fazendeiros, eles não vão denunciar a poluição dos colegas deles. Aqui no estado, a única exceção é Cuiabá, mas é onde não tem agricultura. O MP [Ministério Público] está elaborando um termo de ajuste de conduta. Em Campo Verde também teve uma audiência pública para estabelecer uma legislação com os dados parciais que a gente já tinha e fazer uma legislação que determinasse a distância mínima para pulverização no entorno da cidade. O promotor recebeu o relatório e está preparando um ajuste de conduta também. Esses lugares são semelhantes entre si, porque são dos 40 municípios do estado que consomem 80% dos agrotóxicos, dos fertilizantes químicos e das sementes. A dinâmica é parecida nesses 40 municípios. Desmata-se e pulveriza-se até a beira do córrego, no entorno dele e nas nascentes. As comunidades rurais e a própria cidade ficam ilhadas no meio das plantações. No pasto, usa-se muito herbicida e inseticida e isso vai entrar no ciclo da carne. Os outros suínos e as aves são contaminados pela soja e pelo milho, porque a ração desses animais é à base desses produtos. Dessa maneira, os resíduos do agrotóxicos vão parar nos alimentos. O Ministério da Saúde analisou 20 tipos de alimentos e 30% pelo menos deram algum tipo de agrotóxico. A maioria dos agrotóxicos analisados — foram mais de cem – é autorizado aqui no Brasil. Uma boa parte, uns 14, está sob revisão. Dois ou três foram proibidos e o endossulfam, bastante usado aqui e muito tóxico, vai ser proibido a partir de julho de 2013. Metamidofois, outro fosforado, que dá muito problema no sistema nervoso, psiquiátrico, até doença de Parkinson, vai ser proibido a partir de julho do ano que vem. Esses são proibidos há vinte anos na União Europeia e aqui quando é proibido, é só partir de 2013. Sabe-se que o metamidofós é cancerígeno, neurotóxico e mesmo assim só será proibido a partir de julho do ano que vem. Viomundo – Já existe conhecimento científico suficiente para uma política mais incisiva? Por que é tão permissiva a legislação brasileira em relação aos agrotóxicos? Wanderlei Pignati – Você tem a lei do agrotóxico, a Lei 7.802 de 1989, depois regulamentada pelo decreto 4074, de 2002. Mas existem alguns furos. Primeiro, quem está fiscalizando? É um volume imenso de agrotóxicos, todos permitidos no Brasil. Teria de haver alguns critérios. E os critérios que existem, como a distância mínima de 500 metros de nascente de água, casas, criação de animais, ninguém respeita. Viomundo – Mas os critérios no Brasil são diferentes? Por que os proibidos lá fora, aqui são permitidos? Wanderlei Pignati – São diferentes. Os mais tóxicos são proibidos lá e aqui permitidos. Isso por causa da nossa dependência econômica. Quem governa o Brasil? Aqui, no Mato Grosso, os grandes governantes são fazendeiros, assim como no Goiás. Falo de governantes não só do executivo, mas do legislativo também. Deputados estaduais, os veradores, uma boa parte é fazendeiro e comprometido com esse modelo de desenvolvimento. Não querem mudar agora o Código Florestal para devastar mais ainda? Aqui, no Mato Grosso, 80% estão devastados por quê? Na região Amazônica também. Segundo a lei, teria que desmatar 20% e preservar 80% nas áreas de floresta, de preservação permanente. No cerrado, você pode desmatar 70% e deixar 30%. Os agrotóxicos são fabricados lá fora e vêm para o Brasil. O compromisso dos empresários que vendem esses produtos não é com a saúde. E o grande fazendeiro quer saber de matar o que ele chama de praga. A gente tem que inverter isso, quem é a praga que começou a desmatar, depois a usar um monte de veneno? Dá para produzir sem o veneno? Dá, é o modelo da agroecologia. Entra no modelo dos orgânicos. O maior produtor de açúcar e álcool orgânico é o Brasil. É produzido numa cidade do interior de São Paulo, Sertãozinho. São 16 mil hectares de cana num processo industrial semelhante ao outro, tem máquina cortando mas sem usar uma gota de fertilizante químico ou agrotóxico. Começou 30 anos atrás, selecionando as sementes, as mudas de cana resistentes. Montou-se um laboratório próprio, com biólogo, engenheiro, para eles mesmos selecionarem ao invés de comprar sementes já selecionadas. Diferentemente dos outros produtores, que dependem da meia dúzia de empresas que dominam toda indústria de semente de soja, milho, algodão, feijao, arroz. Essas empresas não fazem seleção para não usar agrotóxico ou fertilizante químico, se não como vai ficar a indústria deles, de fertilizante e agrotóxico? O mesmo dono da patente da semente é o dono do agrotóxico e do fertilizante químico. E mais ainda: é o mesmo que produz o medicamento, da indústria química. Hoje, uma boa parte de medicação que a gente usa para tratar pessoas que tiveram infecção aguda, câncer ou uma outra doença neurológica, psiquiátrica, é produzido por quem produz fertilizante químico e agrotóxico. É um complexo químico-industrial, estão todos ligados. É um tanto esquizofrênico para essa sociedade que se diz desenvolvida. Tem que ser outro modelo de desenvolvimento, isso porque eu estou discutindo a área agrícola sem entrar na indústria urbana, que é semelhante. Existe uma legislação para limitar a poluição e uma legislação paralela para legalizá-la. Os jornalistas perguntam quanto que é o limite máximo permitido de agrotóxico no litro d’água? A gente já chegou a esse grau de não questionamento, de não se indignar, de acatar isso. Se você pegar a Portaria 518 de 2004, do Ministério da Saúde, que chama-se Portaria da Potabilidade da Água, dá pra ver o que é permitido ter na água hoje. A gente fala muito de coliformes fecais. Mas e os agrotóxicos são permitidos? E os solventes? E metais pesados? Todos eles são permitidos. O litro de água que você bebe hoje, de acordo com essa portaria, pode ter 13 tipos de metais pesados, 13 tipos de solventes, 22 tipos de agrotóxicos diferentes e 6 tipos de desinfetantes. Hoje, a questão mais importante na contaminação da água não é mais a bactéria, mas toda essa contaminação química. Viomundo – Essas portarias de potabilidade da água aumentaram cada vez mais o limite de contaminação. Por quê? Wanderlei Pignati – Se você comparar essa portaria com a da Uniao Européia, vai ver que aqui tem 22 tipos de agrotóxicos enquanto lá pode ter, no máximo, cinco. Os limites lá são ínfimos. Enquanto lá você pode ter 20 microgramas de glifosato, aqui pode ter 500 microgramas. E ainda querem subir para mais. A primeira portaria, de 1977, podia ter 12 agrotóxicos, 10 metais pesados, zero solventes e zero derivados de desinfetantes. A seguinte já é de 1990. A vigente é de 2004. Isso acompanha o crescimento da população urbana e rural, que se reflete na água. Os agrotóxicos são a poluição rural. Não se faz um tratamento adequado da água, só tiram os coliformes, botam cloro e fazem um tratamento primário. Esse tratamento, de 100 anos atrás, é feito por decantação. Você coloca o produto, ele decanta, vai todo para o fundo, aí você aspira. É como limpar uma piscina. E os produtos químicos que ficaram dissolvidos na água? Quem usa muito solvente são as indústrias urbanas. Metais pesados são usadas nas indústrias urbanas e na agricultura também, junto com os fertilizantes químicos. Aquilo se acumula durante anos e sai na água. A portaria da potabilidade da água reflete a legalização da poluição urbana e rural. Viomundo – Como o desenvolvimento urbano e rural foi crescendo, as portarias foram permitindo cada vez mais? Wanderlei Pignati – Sim, porque essas substâncias vão sendo usadas cada vez mais. Depois, na revisão da portaria, já querem aumentar o limite. Querem tirar alguns agrotóxicos antigos e colocar outros novos. É uma sociedade sem muita informação e sem muita indignação. A grande mídia fala de limite máximo de resíduo como se fosse uma banalidade. Tudo isso é permitido na água? O leite da vaca tem um monte de coisa permitida também, agrotóxicos que são muito usados no pasto e vão parar na carne e no leite. Agora, quando é carne para exportar e existe esse limite de resíduo, aí fazemos as análises. Às vezes, volta soja e carne porque não foram aprovados pelo nível de resíduo de lá [do país importador]. Alguém ja viu incinerar aqueles vários navios de soja que voltaram? Depois que o produto saiu da indústria e foi para o supermercado daqui, seja carne, frango, soja, milho, quem fiscaliza? A vigilância sanitária do município ou do estado tem que ir fazer as análises, e não se faz isso de maneira rotineira. Quando fazem análise de algum produto, analisam o coliforme fecal. Vêem se aquele produto entrou em putrefação. Mas vai fazer análise de resíduo de agrotóxico, que é cara? Viomundo – Não fazem as análises por falta de estrutura? Wanderley Pignati – Por falta de estrutura, mas não tem estrutura porque não tem investimento. Mas para exportar não fazem as análises? E para cuidar da saúde do boi e da soja? Existe muito dinheiro para a vigilância à saúde no Brasil, mas não para o homem. Existe a vigilância do boi e da soja. O SUS do boi e da soja. A vigilância do boi e da soja tem escritórios do governo do estado nos 142 municipios, com agrônomo, veterinário. Tem mais de 20 carros. Quem é que faz toda a estrutura para vacinar 27 milhões de cabeças de gado do Mato Grosso? Fazem campanha, o veterinário vai todo mês na fazenda ver se vacinou ou não contra febre aftosa. O fazendeiro compra a vacina, tudo bem, que é o custo menor. Aqui,no Mato Grosso, você tem 500 mil crianças abaixo de cinco anos e qual é a cobertura contra sarampo, hepatite, meningite, tuberculose? Vacinou quantos por cento das crianças? As 27 milhões de cabeças [de gado] estão todas vacinadas, do contrário não são exportadas. A infraestrutura é com o dinheiro público, mas os bois são de dinheiro privado. Com a soja, é a mesma coisa. Tem toda uma estrutura para não espalhar a ferrugem, que é um fungo da soja. Os agrônomos da Saúde tiram amostra, orientam os fazendeiros, fazem análise. O boi para exportar recebe cuidado, mas o que fica aqui e vai parar no supermercado, não. Viomundo – O Mato Grosso é o maior produtor agrícola e maior consumidor de agrotóxico do país. O senhor acha que a alta produtividade de Mato Grosso depende do agrotóxico? Wanderlei Pignati – As duas coisas estão ligadas. Cada vez se consome mais. Há dez anos, o hectare de soja consumia 8 litros e não 10 litros de agrotóxico, como hoje. Porque hoje você tem uma série de plantas já resistentes aos vários tipos de agrotóxicos. Então, primeiro você usa mais para ver se resolve.Depois, você troca por outro mais tóxico. Viomundo – Mas é viável eliminar os agrotóxicos? Wanderlei Pignati – Se você partir do sistema e começar a substituir a semente, sair desse domínio da semente, lógico que é viável, em grande escala. Como acontece em Sertãozinho, o maior produtor de açúcar orgânico do mundo. Eles exportam 99,9% dos produtos para União Européia. Hoje em dia a UE está preferindo nossos produtos orgânicos. Hoje tem algumas fazendas produzindo soja orgânica ou mesmo a soja tradicional, não transgênica, que já consome menos agrotóxico. A UE prefere a soja não transgênica não só por causa do gene da bactéria que foi colocado junto com o da soja, mas também por causa dos resíduos do agrotóxico. Tem um nível de glifosato maior e depois, para dissecar, é usado o diquat ou paraquat, que é proibido na UE. Na China, na Índia, nos países do Oriente Médio e da África, esses produtos entram. Vamos levar a poluição para os nossos irmãos da África, da Ásia, que lá não tem controle nenhum. A sociedade precisa abrir os olhos e se mobilizar. Viomundo – O governo Lula manteve esse modelo de desenvolvimento? Wanderlei Pignati – Manteve, inclusive incentivou muito. Ele entrou dizendo que faria reforma agrária e fez praticamente nada. Ele fez 10% do que foi prometido. Em relação aos fazendeiros, ajudou o investimento na produção do biodiesel, da cana, ajudou a arrumar os portos, as estradas, mantendo algumas coisas do Fernando Henrique Cardoso. Por exemplo, manteve a antiga lei Kandir, em que os produtos rurais são isentos de imposto de exportação e do ICMS, então produzem soja e não fica um tostão aqui. Só produto industrializado é que paga imposto. Então, por que a gente produz tanta soja, exporta e mantém pouca industrialização aqui? A carne é a mesma coisa, se você industrializar o que tem no frigorífco e transformar em salsicha, linguiça, aí paga imposto. E ainda vieram os governos estaduais, acabando com o ICMS. Agrotóxico não paga ICMS, mas medicamento paga. Carros usados na agricultura, como tratores, não pagam ICMS aqui em Mato Grosso. São um monte de benesses que os governos federal e estadual deram ao agronegócio. Para a agricultura familiar, deu um pouquinho, para não dizer que não deu nada. Deram 95% aos grandes e 5% para a agricultura familiar. Essa assistência técnica que o governo dá para os grandes produtores de boi e soja não tem nos assentamentos rurais. O governo manteve o modelo e ampliou mais ainda com o negócio do biodiesel, do álcool, dizendo que é a energia mais limpa do mundo. É mais limpa quando está dentro do navio, pronta para exportar, pois aqui dentro o álcool é a energia mais suja do mundo. E agora o biodiesel. Tem que desmatar, usar agrotóxico, fertilizante químico, é o que mais emprega trabalho escravo, é o que mais está matando trabalhador na zona rural, inclusive de exaustão. Polui com os detritos dessas indústrias rurais. Nossa gasolina tem que ter 20% de álcool e se consome muito nos carros a álcool. Agora, por decreto governamental, o diesel é 5% biodiesel. E de onde vem? Se engendrou toda uma campanha para dizer que viria da mamona, do girassol, de produtos que incentivariam a agricultura familiar. Mentira, hoje, 95% vem do óleo de soja. O Mato Grosso é um dos maiores produtores de biodiesel. Você pega o óleo de soja, que é um alimento, e transforma em óleo para ser misturado com o diesel lá em Paulínia [São Paulo]. O Lula incentivou isso. A maior indústria de biodiesel do Brasil fica aqui em Barra do Bugres e há dois anos o Lula veio aqui inaugurar. Agora já tem dezenas no país todo. Assim como o álcool, com o qual poderia se produzir açúcar e outros alimentos em vez de ser produzido para carros. Viomundo – Do governo Dilma pode se esperar alguma mudança? Wanderlei Pignati – É continuidade do governo que prioriza o desenvolvimento industrial urbano e rural nesse mesmo modelo. Pode piorar ainda mais se passar essa reforma do Código Florestal. Não é o governo da Dilma, é de vários partidos, como foi o do Lula. Um monte de empresários que permitem e mantêm esse modelo. A gente pensou que o governo Lula fosse mudar, não digo acabar com o capitalismo, mas, pelo menos, mudar um pouco essa correlação. Melhorar a agricultura familiar, ir no sentido da agroecologia, dar o mesmo privilégio de financiamento para os grandes e pequenos produtores. Nada disso aconteceu. Viomundo – Lula ampliou o sistema de crédito para a agricultura familiar. O senhor não acha o suficiente para inverter o rumo do desenvolvimento? Wanderlei Pignati – Ele ampliou no orçamento, mas no financeiro, quem conseguiu pegar? Grande parte dos assentamentos não tem uma legalização que pode ir lá pegar o financiamento. E se conseguir pegar, cadê a assistência técnica para ele produzir? A agricultura familiar vive um drama. Os pequenos produtores podem pegar 10 mil reais e o grande pega 10 milhões, 20 milhões. Desses 10 milhões de reais, ele vai investir oito e com os outros dois milhões, ele compra apartamento, outras coisas. O pequeno, que pegou 10 mil reais para produzir, é com muito sacrifício, bota toda a família para trabalhar. São políticas iguais para o grande e para o pequeno — e não funciona assim. Tem de ter uma estrutura de crédito, de manejo, de assistência, que hoje não há. O grande produtor tem seus agrônomos. O pequeno, não. Fica sendo uma política mais demonstrativa, “dei tantos milhões”. Mas quantos pegaram? E os que pegaram o financiamento, quantos cumpriram aquilo? O pequeno gosta de cumprir. Os grandes não precisam, porque depois vem a anistia, eles não pagam impostos.


Sugestão de camiseta geografia ( Modelo 02 )


Sugestão de camiseta geografia ( Modelo 01 )


Plano de Aula e Programa de disciplina – Geografia Humana do Brasil II

CLIQUE AQUI !!!

PLANO DE AULA

PROGRAMA DE DISCIPLINA


Geografia na prática

O ensino de Geografia nas escolas de nível fundamental e médio conta com a
criatividade dos professores que põem em prática elementos que auxiliam os
alunos a imaginar e visualizar o espaço terrestre.

por Fadel David Antonio Filho
Divulgação / Shutter Stock Images

Com materiais de baixo custo, sucata ou material
descartável, é possível melhorar as aulas de Geografia para dar ao aluno meios
para apreender e perceber alguns fenômenos ou conceitos geográficos importantes.
No Curso de Geografia do Instituto de Geociências e Ciências Exatas da
Universidade Estadual Paulista, Campus de Rio Claro (SP), é oferecida para os
alunos de Licenciatura, como disciplina obrigatória do currículo, a aula de
“Instrumentação para o Ensino de Geografia”. O curso é ministrado em um
laboratório didático (Laboratório de Apoio ao Ensino de Geografia – LAEGE),
vinculado ao Departamento de Geografia, com aulas práticas, correspondentes a
uma série de “projetos”, que objetivam dar ao futuro professor os meios para
melhorar seu desempenho didático.

Técnicas
simples e práticas

O ensino de técnicas simples e práticas para a
produção de instrumentos didáticos já faz parte do cabedal incorporado pelo
aluno (futuro professor) que deve, a partir daí, colocar em prática sua
criatividade para enriquecer suas aulas, particularmente voltadas ao ensino
fundamental e médio.

Não raro, ao entrarem no mercado de t rabalho,
muitos alunos sentem necessidade de recorrer ao LAEGE para adquirir alguns
“projetos” e imprimir mais dinamismo em suas aulas. Aliás, a disciplina
“Instrumentação” está aberta para receber professores de nível fundamental e
médio, assim como alunos-ouvintes, sem qualquer custo. Para tal, basta a
inscrição no início do período letivo.

A seguir,
alguns exemplos de projetos propostos:

Primeiro Projeto:

PRODUÇÃO DE
UM “GLOBO TERRESTRE”

Objetivos e
utilidade

A partir de uma esfera de isopor, produzir na sua
superfície os meridianos e paralelos (a linha do Equador, de Greenwinch e o
Meridiano Internacional de Data) e os fusos horários, reproduzindo o globo
terrestre. Na parte interna da esfera/globo terrestre de isopor, a composição (o
corte) das camadas que formam o interior da Terra (Núcleo, Manto e Crosta terrestre) e ainda, no conjunto, o
Sistema Terra-Lua. O uso deste conjunto abrange vários tópicos do programa de
Geografia e o professor pode lançar mão deste instrumento na medida das suas
necessidades.

Terra
Quando a Terra surgiu há 4,5 ou
5 bilhões de anos, juntamente com o sol e os outros planetas do sistema solar,
ela era apenas uma pequena massa. Com o tempo, a Terra atraiu um número maior de
partículas e as comprimiu, à medida que aumentava a sua força gravitacional. A
influência do calor do sol e a desintegração de elementos radiativos esquentavam
gradualmente essa massa até que em um dado momento, ela começou a esfriar.
Durante o processo de aquecimento-resfriamento apareceram vários compostos
químicos: os materiais mais pesados afundaram, formando o núcleo e os mais leves
permaneceram na superfície, constituindo a crosta. Depois, a Terra se
solidificou e esfriou, mas o núcleo manteve temperaturas
elevadas.

Material
empregado

Duas semiesferas de isopor de 250 mm de
diâmetro
Uma folha de cartolina branca
Um pedaço de cabo de vassoura
(cerca de 30 cm)
Um pedaço de madeira de 40x40x2 cm
Um prego 16×18
Um
prego 18×27
Martelo
Compasso grande
Caneta (marcador) preta para
retroprojetor
Caneta (marcador) vermelha para
retroprojetor
Barbante
Palito de dente
Dois pedaços de papelão (maiores
que 25 cm)
Um metro de arame galvanizado nº 14
Alicate
O corpo vazio de
uma caneta BIC (sem a carga e tampas)
Régua flexível de 30cm flexível
Cola
para isopor ou cola branca
Pedaço de isopor (3 a 4cm2)
Duas esferas de
isopor de 100mm
Caixa de tinta guache, com as cores básicas
Pincel
médio
Tesoura
Serra tico-tico
Procedimento técnico
(PASSO-A-PASSO)

1
Desenhe um círculo de 26 cm de diâmetro na folha de cartolina;
divida-o em 24 partes (15º cada uma) – use o compasso.

Vazadores

2
Coloque sobre o círculo desenhado, uma das semiesferas do
“globo” de isopor e com a caneta (marcador) preta para retroprojetor, marque um
pequeno ponto na borda da semiesfera, onde coincide com cada linha do ângulo de
15º do círculo desenhado na cartolina – você vai ter na semiesfera de isopor 24
marcas.

Divulgação / Shutter Stock Images

3
Amarre um pedaço de barbante (que vai do cimo até a borda da
semiesfera), num palito e finque-o exatamente no topo da semiesfera
4 Com o
barbante amarrado no palito fixo no topo da semiesfera, esticado firmemente
sobre cada um dos pontos marcados na borda, desenhe uma linha sobre a superfície
curva com a caneta (marcador) preta. Escolha apenas uma das linhas para marcar o
Meridiano de Greenwich e a Linha Internacional de Data (antípoda de Greenwich)
com a caneta (marcador) vermelha. A partir de Greenwich (Meridiano 0º) marque em
cada linha, de 15º em 15º (15º, 30º, 45º até 180º) para o hemisfério Leste ou
Oriental, repetindo o mesmo procedimento para o hemisfério Oeste ou Ocidental,
de modo que ao todo completem os 24 fusos horários (cada fuso correspondendo a
15º de longitude cada).

5
Acople a outra semiesfera de isopor na semiesfera que foi
desenhada os meridianos e marque com a caneta (marcador) preta, os pontos
correspondentes aos meridianos traçados e com a caneta (marcador) vermelha, o
Meridiano de Greenwich e a Linha Internacional de Data. Repita o mesmo
procedimento com o palito e o barbante nesta outra semiesfera, completando os
semicírculos. Não use nesta outra semiesfera a marcação através da cartolina,
pois dificultará a acoplagem com a outra semi-esfera, podendo não coincidir a
continuação dos semicírculos meridianos.

6 Para
fazer os paralelos, divida o barbante (preso no palito fincado no topo da
semi-esfera), em 5 partes, usando a régua flexível e a caneta (marcador) preta;
faça um pontinho em cada uma das 5 partes e marque-os sobre os meridianos.
Depois de todos marcados, ligue-os um a um, formando os círculos paralelos em
torno das semiesferas de isopor. Na linha do Meridiano 0º, marque de baixo para
cima, nos paralelos que aí cruzam, os graus correspondentes (em geral
correspondem aos paralelos 18º, 36º, 54º, 72º e 90º); com as duas partes das
semiesferas de isopor acopladas, formando o globo terrestre, resta passar a
caneta (marcador) vermelha, ao longo do Equador, demarcando um círculo em torno
do globo.

7 Corte
metade do corpo de caneta BIC com a serra tico-tico (de modo que fique um tubo
livre), escolha o “polo Sul” do globo de isopor, enterrando-a até transpassar
para a parte interna da semiesfera, deixando para fora somente uns 2 cm. Na
parte interna, use um pedaço de isopor e enterre o restante da caneta com um
pouco de cola, de modo que fiquem colados a caneta no isopor e este na parede
interna da semiesfera.
 

8 Para
montar o pedestal do globo, proceda da seguinte maneira: no centro da madeira
40x40x2, de baixo para cima, pregue o prego 16×18, de maneira que a ponta dele
fique voltada para cima. Ali, com um pouco de cola, fixe o cabo de vassoura de
30 cm com leves marteladas (deixando-o preso tanto com o prego como pela cola).
Sobre o cabo de vassoura fixado na tampa de madeira, pregue apenas 1,5 cm do
prego 18×27 (com cuidado para não esfacelar o cabo de vassoura), deixando para
fora o restante (que servirá para ser introduzido no tubo da caneta já fixada no
globo, como um eixo, deixando-o livre para girar); antes, retirar a ‘cabeça’ do
prego com o alicate e a serra tico-tico, deixando-o liso para penetrar sem
obstáculo no tubo da caneta fixada no globo.
9 Está
pronto o pedestal e o globo, com as latitudes, longitudes e fusos horários,
Meridiano de Greenwich, Linha Internacional de Data, Equador terrestre; resta
fazer o sistema Terra-Lua.

10 Para
o sistema Terra-Lua, corte um pedaço do arame nº 14, em torno de 70 cm, no qual,
numa das extremidades, faça uma pequena dobra em “L” com o alicate (para
encaixar na Lua); na outra extremidade, com o alicate, dê várias voltas
(torcendo em torno) do prego sobre o cabo de vassoura, deixando um espaço para o
prego se encaixar no tubo da BIC, fixada no “polo Sul” do globo de isopor.
11 A
Lua é feita com a esfera de isopor de 100 mm que deve ser pintada de cinzaescuro
com o guache; a porção do ‘bico’ da tampa da caneta BIC, serrada (em torno de
1cm), deve ser introduzida, com um pouco de cola, no “polo Sul” da Lua; faça
antes, no ponto superior do bico da tampa, um furo com um prego mais grosso, de
modo que o arame que sairá do pedestal tenha sua extremidade em “L” aí
encaixada.

Núcleo da
terra

A estrutura interna da
Terra é constituída de três camadas de espessuras, temperaturas e composições
químicas diferentes: a crosta, o manto e o núcleo. A primeira possui uma
espessura média de 60 quilômetros e é composta basicamente por oito elementos
químicos: oxigênio (46,6%), silício (27,7%), alumínio, ferro, cálcio, sódio,
potássio e magnésio. O manto possui 80% do volume terrestre, aprofundando-se até
2900 quilômetros e sua temperatura média é de 3400 graus. Supõe-se que o núcleo
seja constituído de ferro e níquel. Sua parte externa situa-se entre 2900 e 4300
quilômetros de profundidade e é composta em ferro em estado de fusão. A
hidrosfera é composta por oceanos, rios, lagos e águas próximas às regiões
geladas dos polos. Cerca de 10% da superfície terrestre são ocupadas por
geleiras, desse total 98% estão localizadas na Antártida e
Groelândia.

12 E o
interior da Terra, como fazer? Separe novamente o globo de isopor em duas partes
e, numa delas, coloque um dos pedaços de papelão cortado em círculo de modo que
se encaixe um pouco abaixo do contato entre as duas semiesferas.

Divulgação / Shutter Stock Images

13
Corte ao meio a esfera de isopor de 100 mm que sobrou, de modo que a
metade da esfera seja colada no meio do papelão já fixo numa das semiesferas,
formando o Núcleo da terra ; na outra semiesfera, faça um buraco em forma de círculo,
de modo que ao acoplar as duas semiesferas, uma se encaixe perfeitamente na
outra. Pinte a meia esfera (o Núcleo) colada no centro do papelão encaixado na
semiesfera, num degradê de vermelho mais intenso no centro e menos intenso nas
bordas; pinte em torno (o Manto), também em degradê, do alaranjado ao amarelo,
na direção das bordas do círculo, até próximo da Crosta, que poderá ser pintada
de duas cores (uma na parte interna, marrom, representado o SIMA e a externa,
verde, representado o SIAL).

Segundo Projeto:
MAQUETE DE BLOCO
DIAGRAMA

Objetivos e
utilidade

Uma maquete de um Bloco Diagrama, seja um relevo de Cuesta, um vale
tectônico, uma bacia hidrográfica ou qualquer coisa que seja possível moldar,
podendo ou não fazer uso de rigorosa altimetria, tendo ou não como base as
curvas de nível do relevo ou a escala do fenômeno, traz ao aluno um visual que
substitui inúmeras explicações. O professor pode usar este instrumento para
enriquecer suas aulas e levar o aluno a usar sua imaginação e percepção.
Para o exemplo a seguir, nosso bloco diagrama não fará uso nem das curvas de
nível nem da escala do fenômeno, apenas será moldado com a finalidade de servir
de base para a descrição teórica dada pelo professor. No caso de modelos que se
necessite a escala, o uso de um mapa topográfico (escala 1:50.000 ou 1:25.000)
seria imprescindível. No nosso caso, apenas as formas serão valorizadas. Será o
revelo do Estado de São Paulo, num perfil a partir do litoral paulista, subindo
a Serra do Mar, passando pela Bacia Sedimentar de São Paulo, Cantareira
(Mantiqueira), Depressão Periférica Paulista, Planalto Ocidental Paulista (da
Bacia Sedimentar do Paraná, com a Frente de Cuesta e o Percée do rio Tietê), e
as barrancas do rio Paraná.
Material empregado
Duas placas de isopor de 1000×40 mm
Duas placas de isopor de 1000×10
mm
Um estilete grande
Uma lixa d’água (211q) P220
Um tubo de cola para
isopor
Uma caneta (marcador) preta para retroprojetor
Uma caneta
(marcador) vermelha para retroprojetor
Serrinha tico-tico para ferro
Galão
pequeno de massa corrida
Caixa de tinta guache
Pincéis de vários
tamanhos
Um tubo de cola plástica (azul ou transparente)
Miniatura de
árvores (pode ser feita artesanalmente)
Procedimentos Técnicos

1 Serrar uma placa de
isopor (1000×40 mm) do tamanho que será a base do bloco diagrama (se optar por
100 cm não há necessidade de cortá-la).
2 A segunda placa de
isopor mais grossa (1000×40 mm) deverá ser repartida em 3 pedaços de 30 cm cada;
uma das placas de isopor mais fino (1000×10 mm) também deverá ser recortada em 4
pedaços de 25 cm cada.

3 Sobre a placa base (no
nosso caso 100 cm), colar uma das placas de isopor mais fino (1000×10 mm).

4 Num dos lados da placa
base (agora com duas placas de isopor), afastado cerca de 10 cm da borda, colar
dois pedaços de 30 cm do isopor mais grosso e sobre estes, dois pedaços (de 25
cm) do isopor mais fino.
5 Na
borda oposta, colar rente a ela um pedaço de 30 cm do isopor mais grosso, e
sobre este, colar dois pedaços de 25 cm do isopor mais fino.

6
Esculpir com o estilete e a lixa, o litoral em cima do isopor
mais fino da placa base (onde existe o afastamento de 10 cm).
7
Esculpir com o estilete e a lixa, a Serra do Mar, a bacia sedimentar de São
Paulo, a Mantiqueira.

8 No
bloco que corresponde ao Planalto Ocidental Paulista, esculpir, com estilete e
lixa, o “percée” do rio Tietê, aproximadamente uns 18 cm de cada lado a partir
da borda para o centro do bloco (cuja largura é de 50 cm). Isso significa que o
vale do Tietê terá uma largura de aproximadamente 14 cm.
9 Passe
uma camada leve de massa corrida, nos locais que desejar dar um aspecto mais
natural do terreno ou para cobrir algum defeito ou irregularidade.
10 Para
fazer os rios na Depressão Periférica (rios consequentes, subsequentes,
obsequentes etc.) usar a caneta (marcador) preta, para marcar a sinuosidade dos
canais, esculpindo com o estilete e lixa, sobre as placas de isopor; depois de
esculpido os canais dos rios, passar a cola plástica ao longo deles. Uma
alternativa é o uso da parafina para ocupar o lugar da água dos rios (para tanto
é necessário esquentar a parafina com cuidado e despejála nas canaletas
esculpidas dos rios).
11
Usando as tintas disponíveis, dar o toque pessoal no relevo: as
rochas entremeadas de vegetação da Frente da Cuesta, da Serra do Mar e da
Cantareira; a Depressão Periférica e o reverso do Planalto, com a cobertura
vegetal; o litoral com o mar etc. etc.

12 Nas
laterais da maquete, com as canetas (marcadores) vermelha e preta, fazer os
cortes litológicos (as camadas de rochas e sedimentos), nos respectivos
domínios.
Para dar um toque final, fixe as miniaturas de árvores ao longo do canal dos
rios ou na base ou no topo das Cuestas e rebordos dos planaltos. As maquetes
feitas com base em cartas topográficas, escalas 1:50.000 ou 1:25.000, devem
seguir rigorosamente as curvas de nível, com camadas de isopor mais fino,
cortados com a serrinha ou com um cortador de isopor próprio.


Qual é a semelhança entre um bêbedo e um geógrafo?
Ambos concordam que a Terra gira  !!!


Camiseta do 6º semestre UFMT ( modelo nº 03 )

modelo 01


Clube Geo – Estudos de Geografia

Aê pessoal… ai vai uma dica pra ajudar nos estudos…

http://clubegeo.blogspot.com/

Blog da galera do 7º semestre.

bons estudos


Terremoto em Mato Grosso?

MT corre risco de sofrer terremoto de mais de 6 graus na escala de Richter

Publicado em  21/03/2011

Fonte: TVCA.

Mato Grosso corre o risco de enfrentar um tremor de terra de intensidade suficiente para causar estragos em cidades da região norte do Estado. É o que afirma o chefe do Observatório Sismológico da Universidade de Brasília (UnB), Lucas Vieira Barros, especialista no estudo de tremores no Brasil. Na região da cidade de Porto dos Gaúchos (644 quilômetros de Cuiabá) há uma falha geológica onde abalos sísmicos vêm ocorrendo com frequência nos últimos anos. Apenas no ano passado, dos 42 tremores de terra registrados no Brasil, 20 foram em Mato Grosso. Todos naquela região.

Lucas Vieira Barros é doutor em sismologia e a tese de doutorado dele foi justamente sobre a zona sísmica em Porto dos Gaúchos, que registrou o maior terremoto já observado na história do Brasil. No dia 31 de janeiro de 1955, um abalo de magnitude 6,2 foi registrado na região de Porto dos Gaúchos. E desde 1959, explica Lucas Barros, em uma área 100 quilômetros a nordeste da Serra do Tombador, vem sendo observada uma sismicidade recorrente.

“Tanto a Serra do Tombador quanto Porto dos Gaúchos estão localizados na Bacia Fanerozóica dos Parecis, cujos sedimentos recobrem o embasamento cristalino do Cráton Amazônico. Dois sismos de magnitude 5 ocorreram em Porto dos Gaúchos, em 1998 e 2005, com intensidades VI e V, respectivamente. Esses dois choques principais foram seguidos de sequências que duraram mais de quatro anos cada”, observa o professor, ressaltando que esses abalos foram estudados por meio de equipamentos instalados pelo Observatório Sismológico naquela região.

Novos tremores

Os abalos que ocorrem na região central do país, apesar de menos intensos e frequentes do que aqueles que acontecem nos limites das placas tectônicas, podem oferecer um grande risco devido à baixa atenuação das ondas sísmicas e à dificuldade de se mapear e dimensionar suas fontes. No Brasil, apenas dois terremotos registrados tiveram magnitude maior que 6. Um deles aconteceu na costa do Espírito Santo, em 1955, e chegou a 6,1 graus. O de Porto dos Gaúchos, em Mato Grosso, no mesmo ano, chegou a 6,2.

O doutor em sismologia afirma que aquela região no norte de Mato Grosso é propensa à ocorrência de novos tremores devido à falha geológica ali existente. Segundo ele, novos abalos sísmicos podem ocorrer a qualquer momento e assustar moradores das cidades próximas. “Em 2000 teve um sismo, em 2008 teve outro e a terra nunca mais parou de tremer. Discuto a questão dos efeitos de possíveis terremotos de magnitude 6,2 a 6,5 em Porto dos Gaúchos”, disse Lucas Barros em entrevista ao site TVCA.

O especialista avisa que não há motivos para a população temer, mas que é necessário estar em alerta. “Não precisamos alarmar as pessoas que moram em Mato Grosso, mas não temos o direito de esconder informação”. Um abalo de magnitude 6,2 a 6,5 poderia ser sentido com intensidade em grandes cidades da região norte como Sorriso e Sinop.

Estação sismológica

Com a comprovação da grande frequência de abalos no norte de Mato Grosso, o Observatório Sismológico da UnB instalou uma estação sismológica em Porto dos Gaúchos. No entanto, o equipamento – que custo cerca de R$ 80 mil quando instalado, em 2005 – está desativado. Lucas Barros não sabe o motivo preciso da interrupção de funcionamento da estação. Uma equipe da UnB deve vir a Mato Grosso em abril para verificar o problema e reativar a estação.

O chefe do Observatório pretende entrar em contato com a Defesa Civil estadual para fazer uma parceria com o governo do Estado na tentativa de contratar uma pessoa para cuidar da estação mato-grossense. Ele avalia que a estação pode estar funcionando parcialmente, coletando os dados dos abalos sísmicos, mas com algum problema no link com o satélite, necessário para enviar as informações para o Obsis em Brasília. Lucas Barros explica que a estação sismológica instalada em Mato Grosso tem condições de monitorar os sismos não apenas na região de Porto dos Gaúchos ou no Brasil, mas em todo o mundo.


Conceitos dentro da Geografia para o ensino médio.

Video aula


Conceitos Básicos de Sensoriamento Remoto

Conceitos Básicos de Sensoriamento Remoto


Texto de apoio Regional II ( Profª Ivaniza )

Recursos naturais ( Regional II )


Palestras e exposições fazem parte da Semana do Calouro

O projeto “Inventário Documental do Patrimônio Imaterial Mato-Grossense”
começa dia 16, às 20h30 no Museu de Arte e de Cultura Popular (MACP) da
Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT). Haverá exposição, ciclo de palestras
e filmes. A atividade faz parte da Semana do calouro 2011/1.
A exposição é
resultante de um trabalho de pesquisa realizado pelo Museu Rondon e coordenado
pela professora Izabela Tamasio, com a colaboração das pesquisadoras, Tereza
Martha Guimarães, Heloisa Arinos, Elizabethe Madureira, Nileide Dourado, Sonia
Romancine, Suise Leon Bordest e Andrea Jakubaszko, e dos pesquisadores Denilton
Carlos Gaio, Mário César Leite, diz Serafim Bertoloto, integrante do grupo e
supervisor do MACP.
A exposição estará aberta ao público todos os dias e vai
até dia 16 de abril, exceto aos fins de semana e feriados. A programação inclui
palestras, filmes e documentários que serão apresentados no Salão da Exposição
do MACP e no Cineclube Coxiponés até o dia 23.
No dia 17, às 9h30, a palestra
com o tema “Formas de Expressão: Siriri, Cururu e Rasqueado” será ministrada
pela professora do Departamento de Antropologia da UFMT, Heloisa Afonso Ariano.
Em seguida, às 10h30, a palestra será com a discente de ciências sociais,
bolsista de Iniciação Científica (Pibic), Kylvia Prioli com o tema “Artes de
Fazer: Viola de Cocho, patrimônio Imaterial”. Segundo a Unesco, patrimônio  cultural imaterial compreende “as práticas, representações, expressões,
conhecimentos e técnicas junto com os instrumentos, objetos, artefatos e lugares
culturais que lhes são associados e que as comunidades, os grupos e, em alguns
casos, os indivíduos reconhecem como parte integrante de seu patrimônio
cultural”. Transmitido de geração em geração, esse patrimônio é mantido e
permanentemente recriado pelas comunidades e grupos em função de sua interação
com o meio em que vivem e com a sociedade mais ampla. O projeto “Inventário
Documental do Patrimônio Imaterial Mato-Grossense” é desenvolvido em parceria
pela UFMT, o Instituto de Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) e a Uniselva.
Confira a programação completa.
Para mais informações 3615-8355.


Entenda a crise que abalou o mundo


Recepção ao calouro 2011

A Pró-reitoria de Cultura, Extensão e Vivência (Procev), institutos e  faculdades e os centros acadêmicos prepararam diversas atividades para  recepcionar os novos alunos. A programação da Procev conta com concertos do  Coral e da Orquestra Sinfônica da UFMT, exposições no Museu de Arte e Cultura  Popular (MACP) e exibições do Cineclube Coxiponés. A UFMT reinicia as aulas  educando contra o trote e combatendo a dengue. O “trote” é proibido na UFMT,  em todos os campi, desde 15 de dezembro de 2005,
segundo a resolução n.° 18  do Conselho Universitário (Consuni). Em nível estadual, a atividade também é  proibida pela Lei n.° 9.325/2010, aprovada pela Assembleia Legislativa de  Mato Grosso. A UFMT dispõe de serviço de segurança que está preparado para  atender às denúncias de ações de violência (3615.8065). Durante a semana do  calouro, a comissão de prevenção e controle da dengue na UFMT também realiza a campanha “UFMT contra a dengue”, no Campus de Cuiabá.


3° Workshop Internacional da Rede de Pesquisa do Pantanal começa nesta segunda-feira

3° Workshop Internacional da Rede de Pesquisa do Pantanal começa nesta
segunda-feira (14) com o tema: ‘’Nutrientes e pesticidas nas águas superficiais
dos principais bacias do pantanal setentrional: uma abordagem integrada’’. As
palestras técnicas começam às 8h, no auditório do Museu de Arte e Cultura
Popular (MACP) da Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT). As inscrições
serão feitas no Laboratório de Geoprocessamento do Departamento de Geografia,
que fica no prédio do Instituto de Ciências Humanas e Sociais (ICHS), e no dia
14, no local do evento (MACP).

A palestra de abertura do workshop terá como tema “A rede de pesquisa
Pantanal e o projeto Pronex’’, com o professor Antonio Ioris, da Universidade de
Aberdeen – Escócia. Em seguida, às 9h, o tema é ‘’Rede de Monitoramento do
impacto do uso da terra sobre os sistemas aquáticos em Bacias Hidrográficas da
Região Centro-Oeste – Definição de Indicadores de integridade ambiental
(Remisa)’’, com a professora Eliana Dores, da Universidade Federal de Mato
Grosso (UFMT)

Às 10h15, o superintendente de Recursos Hídricos da Secretaria de Meio
Ambiente de MT (Sema), Luiz H. M. Noquelli, falará sobre o ‘’Gerenciamento de
recursos hídricos em Mato Grosso’’. Às 14h, a palestra será com os pesquisadores
Carlos Padovani e Débora Calheiros, da Empresa Brasileira de Pesquisa
Agropecuária (Embrapa- Pantanal), sobre o tema “Dinâmica de inundação e
qualidade de água no Pantanal’’. Às 17h15 encerra-se o primeiro dia de
atividades com a palestra “Banco de dados georeferenciado em ambiente www para o
projeto Pronex’’, com os professores Denis Lemire e Suzy Klemp, da UFMT.

Na terça-feira (15), as atividades são internas e acontecem no Departamento
de Geografia, no Instituto de Ciências Humanas e Sociais (ICHS).

No dia 16, a programação é aberta ao público, com vagas limitadas, para a
visita à Bacia de São Lourenço e Tenente Amaral, que começa às 7h30.

No último dia do workshop (17) acontecerá o passeio de barco que percorrerá
os pontos de monitoramento de qualidade da água do Rio Cuiabá. A saída é às
6h30. As vagas são limitadas.

Para mais informações 3615-8481

Confira a  programação completa.


Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.